CRÍTICA | LEGO Batman: O Filme

by Thiago de Mello

O gênero “filmes de super-herói” vem apresentando alguns sinais de desgaste nos últimos anos, o que é compreensível ao observar a quantidade de obras lançadas anualmente. Uma boa parcela desses filmes se apoia em roteiros e narrativas convencionais, que seguem fórmulas meramente funcionais e eficientes, criando obras um tanto similares entre si. Porém, quando o filme foge do padrão e se aventura por novos territórios, o público é agraciado com ótimos resultados. LEGO Batman: O Filme é o novo exemplo disso, mesmo tratando-se de uma animação cômica.

A cidade de Gotham é atacada, novamente, pelo Coringa (Zach Galifianakis) e por todos os outros vilões e inimigos do Batman (Will Arnet) que, ao salvar a cidade, não apenas deixa o Coringa escapar, como também o magoa. Enquanto o Palhaço do Crime bola um novo plano para mostrar ao Batman que ele é seu grande arqui-inimigo, Bruce Wayne acaba adotando o jovem órfão Dick Grayson (Michael Cera).

LEGO Batman: O Filme

LEGO Batman: O Filme

Os minutos iniciais de LEGO Batman já conquistam o espectador. E quando digo minutos iniciais, refiro-me à tela negra que antecede as logos, que antecedem o filme. Desde o primeiro segundo a animação causa risadas, seja na criança, seja no adulto. Esse é um dos grandes méritos do longa: dialogar com todos os públicos – com ênfase no “todos”. A comunicabilidade de LEGO Batman não se limita às idades dos espectadores. O filme apresenta material para todo tipo de fã do Cruzado Encapuzado. O roteiro de Seth Grahame-Smith, Chris McKenna, Erik Sommers, Jared Stern e John Whittington apresenta ótimas referências e piadas que sacaneiam desde os últimos filmes da DC – há uma hilária agulhada em Esquadrão Suicida – e até um herói da Marvel! Dos primeiros quadrinhos, até a última participação cinematográfica, LEGO Batman é um prato cheio para todos os fãs!

O aspecto técnico segue o mesmo primor de Uma Aventura LEGO (2014). A qualidade da animação é belíssima. O uso de cores e contrates criam uma vistosa empatia visual, além de valorizar os belos cenários criados. Gotham, a mansão Wayne, a BatCaverna, a Fortaleza da Solidão e tantos outros ambientes, são grandiosos e criativos, além de estarem repletos de referências.

A inventividade do brinquedo LEGO continua muito bem explorada. Isso dá valor único a uma obra que, caso não utilizasse bem seus materiais-base, facilmente poderia ser classificado como um mero comercial de 1h44.

Após um primeiro arco divertidíssimo, o filme dá uma diminuída no ritmo cômico e aventuresco para se aprofundar na trama. Algumas piadas não funcionam tão bem, enquanto outras são repetidas. Assim, o segundo arco apresenta ligeira queda na qualidade narrativa, mas nada que tire o espectador da boa experiência. Além disso, a versão dublada (que para muito será a única disponível nos cinemas) apresenta instabilidades. Enquanto os personagens principais realizam um trabalho apenas satisfatório (cujo destaque é a voz do Coringa), muitos coadjuvantes receberam vozes completamente destoantes de seus personagens. Outro problema é o uso desenfreado de maneirismos vocais não condizentes com a fonte, mesmo se tratando de uma comédia.

A ação é bastante vistosa e, mesmo sendo “criada” por incontáveis e minúsculas peças de LEGO, jamais confunde visualmente o espectador. A fotografia e edição do filme funcionam muito bem, dando boa dinâmica à aventura. A direção de Chris McKay (responsável por vários episódios de Frango Robô) é objetiva e de qualidade, remetendo muito ao trabalho realizado por Chris Miller e Phil Lorde (que retornam como produtores) em Uma Aventura LEGO. McKay consegue dar fluidez à maioria das situações cômicas e dramáticas do filme.

Conclusão

A nova animação da Warner Animation Group (responsável pelo ótimo Uma Aventura LEGO) e da DC Entertainment utiliza um dos mais importantes e adorados super-heróis contemporâneos para contar uma divertida, dinâmica e bonita história sobre família, amizade, trabalho em equipe e até, por que não, luto. Mesmo apresentando algumas instabilidades na dinâmica narrativa – e no caso da versão dublada, um trabalho um tanto insatisfatório –, LEGO Batman: O Filme deve conquistar crianças, adultos, todos os tipos de fã ou simplesmente quem busca um bom filme!

LEGO Batman: O Filme estreia em 09 de fevereiro de 2017.

E você, verá o filme? O que achou da crítica? Deixe seu comentário! E não esqueça de curtir e compartilhar! O Sete agradece.

 


 

Título original: The LEGO Batman Movie
Gênero: Animação, Comédia, Aventura
Duração: 1h44
Classificação: Livre
País: Estados Unidos

Direção: Chris McKey
Roteiro: Seth Grahame-Smith, Chris McKenna, Erik Sommers, Jared Stern e John Whittington
Trilha Sonora: Lorne Balfe
Elenco: Jenny Slate, Will Arnet, Ralph Fiennes, Zoë Kravitz, Channing Tatum, Rosario Dawson, Jonah Hill, Jemaine Clement, Jemaine Clement, Ellie Kemper, Ellie Kemper, Adam Devine, Kate Macucci, Seth Green, Ellie Kemper, Billy Dee Williams, Conan O’Brien, Doug Benson

 

 

2 comments

Leia também

Esse site usa cookies para melhorar a sua experiência. OK